Resenha histórica e cultural

 

O Grilo é uma das 14 freguesias do Concelho de Baião, tem como orago S. João Baptista, terriorialmente abrange uma área de 611 ha, que corresponde a 3.47% da área total do Concelho. A população residente é de aproximadamente seiscentos habitantes.

Duas dezenas de lugares integram a riqueza paisagística desta Freguesia, a saber: 

Barreiro, Chãos, Covêlo, Corujeiras, Cruz, Galgueira, Lavandeira, Minhães, Novais, Outeiro, Partilha, Passadouro, Ramadinhas, Seixo, Sernande, Vale Escuro, Espinheiros, Vila Cova, Vila Moura, Valeças e Silvares.

É com sentimento telúrico e orgulho na nossa história que nos afirmamos grilenses, pois somos terra de gente importante, citamos algumas figuras que perpassam a nossa identidade histórica: Frei Domingues Vieira, vivente em Vila Cova; Visconde de Vila Moura, residente em Vila Moura.

Frei Domingues Vieira, a quem os grilenses chamavam de "velho padre mestre", viveu lugar de Vila Cova e foi o autor da compilação do Grande Dicionário da Língua Portuguesa. Depois da sua casa ser assaltada pela Quadrilha "Maravalhas", ligada ao Zé de Telhado foi habitar a para a Freguesia de Mesquinhata, onde faleceu em 1857.

Bento de Oliveira Cardoso e Castro, nasceu em 1877, foi o 1º Visconde de Vila Moura, da freguesia de Grilo, formado em Direito, foi um escritor de renome. Este escritor fez parte do movimento cultural portuense designado "Renascença Portuguesa" juntamente com o vizinho amarantino Teixeira de Pascoais. É relevante a obra escrita publicada pelo Visconde de Vila Moura, sendo de tal forma reconhecido no mundo literário que manteve troca de correspondência com o proeminente Fernando Pessoa. Faleceu em 1935 em Ribadouro.

A agricultura em forma de subsistência e complemento assume particular relevância em todos os lugares da freguesia, é também motivo de enfoque os Cantaréus, típicos em época de colheitas agrícolas, sendo esta Freguesia detentora de bibliografia editada com este elemento etnográfico que plasma a beleza da cultura popular. Em tempos idos a tapeçaria artensal assumiu preponderância nesta localidade, contudo, hoje não se verifica qualquer continuidade desta arte.

Em termos de património arqueológico destacam-se as Mamoas de Cruz de Ferro, da Chã do Alto do Pinheiro, do Monte Maninho, Caixão de São Francisco, Lavra e Pia dos Mouros. É também ornamento patrimonial da Freguesia as estátuas erigidas, em jeito de homenagem póstuma, aos saudosos Padre Gomes, pároco entre 1972 e 1979 e ao Professor Alberto Patrício pelos contributos incomensuráveis oferecidos à comunidade.

Uma palavra para a AGRICUR - Associação Grilense de Cultura e Recreio, fundada em 1991 e para a ADEGRIL - Associação de Desenvolvimento do Grilo, inaugurada em 1998, instituições que fomentam a qualidade de vida e o desenvolvimento cultural, desportivo, social, fraternal e humano de todos os grilenses.

 

A JUNTA DE FREGUESIA DE GRILO